sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Vinicius de Moraes e Frota Moreira, amigos de fé Por Vânia M. Diniz



                                                            

A presença de Vinicius de Moraes em minha vida foi profunda. Principalmente aos sábados, acordava com as músicas do grande compositor tocando em nossa casa e aprendi a reverenciar esse gênio poeta que circundava minha vida.

Foi diplomata, Poeta, dramaturgo, compositor e era chamado por seu biógrafo, José Castello “O Poeta da Paixão”

Meu pai amava Vinicius de Moraes e o conhecia bem, mas foi meu tio José Arthur da Frota Moreira (já escrevi sobre ele com o pseudônimo de Renato) que foi o grande amigo de Vinicius.

Meu tio exercia a advocacia e então seus caminhos profissionais não eram iguais, embora ambos fossem boêmios e amassem a vida de uma maneira parecida. Eram muito amigos e estudaram juntos. Tão amigos que meu tio morrendo muito cedo, com apenas 40 anos foi homenageado por Vinicius com um soneto que coloco abaixo.

Nunca esquecerei o som de suas músicas, o carisma desse homem que foi amado pelo Brasil inteiro com a força de seu talento e a sensibilidade de suas composições e sonetos.

Há pouco tempo recebi um e-mail de um editor que estava reunindo os sonetos de Vinicius e escrevendo um pequeno comentário sobre cada homenageado e ele me descobrira para que eu falasse um pouco de meu tio.

Comecei então a recordar esse homem tão controverso, deputado e advogado honrando seus títulos, alegre, polêmico com opiniões avançadas para sua época, enfrentando o mundo com um destemor absoluto e até quando o médico lhe anunciou que estava com leucemia ele não recuou, certo que no tempo em que ainda viveria descobririam o remédio salvador, o que não aconteceu. Mas ele viveu esperançoso, tranqüilo e confiante com essa certeza até que a doença tivesse mostrado realmente suas garras e o sofrimento se apoderado dele.

Ao grande Vinicius, o “Poetinha” maravilhoso que empolgava a todos, vibrante, entusiasta da vida e que viveu ali amando o mesmo bairro que eu amava e em que fui criada e o meu querido tio José Arthur da Frota Moreira , que não desanimava nas maiores intempéries e que eu considerava fascinante meu preito de carinho e amor.

Sei que estão em outro espaço, entusiasmando os anjos protetores e eternizando uma amizade profunda e singularmente bela. Ao Poeta ao meu tio a minha saudade e admiração.
Vânia Moreira Diniz

Soneto de Vinicius de Moraes
Dedicado a ao amigo José Arthur da Frota Moreira
Soneto na Morte de José Arthur da Frota Moreira


Cantamos ao nascer o mesmo canto
De alegria, de súplica e de horror
E a mulher nos surgiu no mesmo encanto
Na mesma dúvida e na mesma dor.


Criamos toda a sedução, e tanto
Que de nós seduzido, o sedutor
Morreu nas mesmas lágrimas de amor
Ao milagre maior do amor em pranto.


Fui um pouco teu cão e teu mendigo
E tu, como eu, mendigo de outro pão
Sempre guardaste o pão do teu amigo


Meu misterioso irmão, sigo contigo
Há tanto, tanto tempo, mão na mão...
Ouve como chora o coração.


Vinicius de Moraes

3 comentários:

  1. Desio Cafiero Filho25 de outubro de 2010 12:22

    Vânia, querida!!!
    Muito bom reencontrá-la, após bastante tempo de recolhimento; no caso meu, naturalmente... pois,você - como sempre - esbanjando energia e entusiasmo. Já estava com saudades de "visitar" seus lindos textos, sempre carregados de amor e emoção; condimentos inseveis e marcantes em sua trajetória de sucesso. Não podemos nos perder, pois, como librianos, temos uma afinidade eterna.
    Abraço carinhoso e saudoso!!! Desio.

    ResponderExcluir
  2. O blog está lindo e este texto, em que nos conta a proximidade entre Vinícius de Morais e seu tio, é mais uma riqueza no tesouro das letras!

    ResponderExcluir
  3. Mana, lembro bem das músicas de Vinicius de Moraes nas manhãs de sábado em nossa casa. Não sabia do soneto, mas adorei saber que ele eram amigos. Sempre admirei muito o poeta e compositor, ainda mais, sendo iniciada por nosso pai. Quantas coisas boas temos para lembrar, não? bjs

    ResponderExcluir